CASO ELEMENT|

Em conversas obtidas pelo Facebook de uma suposta amiga, datadas no último mês de 2018, Arlindo confessa de forma aberta ter agredido sua ex-namorada diversas vezes usando possíveis surtos psicóticos como justificativa. [1][2]

[1] - Facebook

[2] - Facebook

Nessas conversas diz que "queria dar um fim" não se sabe exatamente ao que, mas ao que tudo indica se referia ao relacionamento que já não estava indo muito bem. Descrevendo uma das agressões, afirma que chegou a colocar a mão na garganta da vítima, jogá-la na cama e seu braço falhar ao tentar insistir no que estava fazendo. [3][4][5]

[3] - Facebook

[4] - Facebook

[5] - Facebook

Pouco após, afirma ter agredido a ex-namorada em 3 ocasiões diferentes, sendo que na última alega que até a polícia foi chamada pelos vizinhos em sua residência e declara ter medo do que a vítima poderia fazer caso se resguardasse de provas, como por exemplo, tirando fotos dos hematomas causados pelo mesmo. [6][7][8][9][13][14][15][16]

[6] - Facebook

[7] - Facebook

[8] - Facebook

[9] - Facebook

[13] - Fonte anônima

[14] - Fonte anônima

[15] - Fonte anônima

[16] - Fonte anônima

Arlindo também confessa ter traído a ex-namorada por 2 vezes durante o relacionamento, se relacionando sexualmente com duas mulheres não conhecidas em seu círculo social - e termina a conversa insistindo para que a ouvinte das confissões lhe apresente qualquer outra conhecida para que ele pudesse "fuder", justificando estar carente. [10][11][12]

[10] - Facebook

[11] - Facebook

[12] - Facebook

Preocupada com a possível repercusão negativa do acontecimento, a vítima se manteve calada até nosso contato pois relata ter medo da reação do abusador ao descobrir que está sendo exposto pelas suas atitudes, implicando que ele poderia espalhar fotos íntimas trocadas durante o relacionamento como vingança, o que imediatamente o colocaria à disposição da lei Nº 13.718, de 24 de Setembro 2018, que tipifica os crimes de importunação sexual que podem ocasionar em reclusão, de 1 a 5 anos, se o ato não constitui crime mais grave. [18]

[18] - Vítima

Ao decorrer da investigação, averiguamos que nesta data um boletim de ocorrencia foi de fato aberto por violência doméstica contra Arlindo Leal Lana Neto, na cidade do Rio de Janeiro, no bairro Recreio dos Bandeirantes, na 42ª Delegacia Policial.

A Sheol e o mundo condenam qualquer tipo de agressão contra a mulher, seja ela física ou psicológica. Denuncie, não acoberte esse tipo de incidente acontecendo com pessoas próximas a você.

Todo apoio à vítima está sendo prestado, recomendamos que não tentem nada contra a mesma porque estamos a pelo menos 10 passos na frente de vocês.

Continuaremos exaustivamente indo atrás de você que está devendo para a justiça. Resolvam suas pendências antes que seja tarde.


Confira calendário e notícias sobre o ENEM 2020: